Programação

Confira abaixo um pouco do que vai rolar na nossa programação:

  1. Conferência de Abertura 

Contaremos com uma conferência de abertura realizada por Jasbir Puar, professora associada do Departamento de Estudos de Mulheres e Gênero da Universidade de Rutgers, Nova Jersey, professora visitante no Departamento de Estudos da Performance da Universidade de Nova York e também é membro visitante do Instituto para Pesquisa Cultural de Berlim

Com a conferência daremos início a um conjunto articulado de diálogos a serem desenvolvidos através de Mesas Temáticas, apresentação de Trabalhos em Simpósios Temáticos e Pôsteres, Mini-Cursos, Oficinas, Intervenções artístico-culturais, Teleconferências e Tendas de Vivência.

 

  1. Mesas Temáticas

Aprofundarão as interpelações do evento, reunindo pesquisadore/as e pessoas que experienciam cotidianamente as questões aportadas pelas oito (8) mesas temáticas previstas para abordar os seguintes temas:

 

Mesa temática 1 – Saberes da Diferença pra (Re)Fazer  Resistência

Problematizará o investimento planejado na extinção ou apagamento de formas de vida que mostram ser possível manter o corpo resistente às estratégias de controle e dominação articuladas aos processos de colonialidade; um diálogo com saberes que resguardam elementos de sistemas epistemológicos organizados a partir de cosmologias que desafiam as estratégias de homogeneização ocidentais. Que chaves oferecem para a (re)invenção de nossas formas de atuação? Que estratégias inspiram para desfazer o agenciamento de marcadores da diferença nos processos de racialização e sexualização que conferem inteligibilidade ao “humano”? Essas e outras questões interessam ao debate. 

 

Mesa temática 2 – A Produção de Vidas Precárias Como Regime Econômico e Político

Trará um debate articulando a emergência das dissidências identitárias ao recrudescimento fundamentalista das décadas recentes; a problematização do projeto de humanidade que  promove o extermínio sistemático de corpos que desafiam ou excedem sua lógica de funcionamento. Quem são os “extermináveis da vez”, que enquadramentos são utilizados para colocá-los sob mira, como marcadores sociais da diferença são articulados nesses processos, que chaves nos oferecem para transitar pelos dias atuais são questões que interessam ao debate.

 

Mesa temática 3 – Na Encruzilhada Identitária: Revisitando Nossos Modelos de Interseccionalidades

Propiciará o encontro de problematizações acerca de como as percepções sobre a articulação entre as diferenças estão colocadas nas práticas de resistência que ocorrem em diversos âmbitos da nossa atuação; sobre como os esforços de categorização e/ou nomeação identitária se localizam no difícil exercício de subverter as instâncias de controle que instituem a necessidade de categorizar e nomear.

 

Mesa temática 4 – O Queer que a Gente Vê Por Aqui

Articulará reflexões sobre práticas e experiências políticas inspiradas pelas provocações epistemológicas associadas à dissidência queer. Como se articulam nessas experiências, arte, estética, tecnologias, afeto; que ferramentas possibilitam construir para realizar a disputa das “mentalidades” e processos de (des)subjetivações; como têm desafiado mecanismos de desigualdade (intra)regionais que fortalecem processos de colonialidade; que desafios apontam à construção de agendas que permitam adensar a articulação de práticas de produção de saberes e intervenções políticas?

 

Mesa temática 5 – Ativismos Queer da Atualidade

A mesa redonda pretende discutir experiências de ativismos queer localizados no sul da Europa, em especial Portugal e Espanha. Quais são essas experiências? Em que medida elas se diferenciam do movimento LGBT local? Que estratégias e pautas são mais utilizadas? Essas são algumas das perguntas que nortearão a mesa.

 

Mesa temática 6 – Desafios Táticos à Reinvenção das Lutas no Âmbito da Institucionalidade

Promoverá o encontro de incursões sobre os significados do cerco fundamentalista a políticas educacionais e à centralidade da família, corpo e comportamento humano nos rearranjos econômicos e políticos contemporâneos; sobre desafios e possibilidades de atuação política na relação com aparatos institucionais do Estado, partidos políticos e a ênfase nas políticas públicas como estratégia articuladora de tais iniciativas.

 

Mesa temática 7 – Descolonizar a Luta para Superar o Luto: como Tecer Nossa Resistência?

A mesa comporá um painel com reflexões de/sobre experiências que se organizam para manifestar oposição ao ordenamento heteronormativo da vida. Que táticas são utilizadas, como podem ser compartilhadas, aprimoradas. Como realidades locais têm impactado formas de se exercer a agência política? Como se configura a relação saber-poder nos contornos adquiridos por tais agências? Que mecanismos de articulação são experimentados em âmbitos globais, intra-regionais e locais e como têm subvertido a lógica da colonialidade? Como se dão as parcerias? Que potencialidades são identificadas e que aspectos podem ser aprimorados?  É possível pensar na articulação de agendas comuns? Que meios de articulação são possíveis vislumbrar? Interessam ao debate essas e outras questões a serem consideradas pelas pessoas convidadas.

 

Mesa temática 8 – A universidade que Temos ainda não é a que Queeremos: Desafios e Perspectivas para o 4º Seminário Internacional Desfazendo Gênero

A mesa propõe uma avaliação das três primeiras edições do Seminário Internacional Desfazendo Gênero e encaminhamentos para adensar a articulação do evento com as iniciativas de pesquisa e intervenção que vem sendo desencadeadas a partir das interpelações aportadas. Também será um momento para apontar sugestões para a 4ª edição do evento.

 

  1. Simpósios Temáticos (STs)

Trata-se de espaços propostos por pesquisadore/as ou pessoas com notório saber para a apresentação e debate de pesquisas, práticas sociais e artísticas e/ou intervenções sobre um mesmo tema. Serão oferecidos pelo evento 69 STs.

 

  1. Oficinas e Minicursos

Constituem espaços para troca de experiências, aprofundamento de temas, exercícios e desenvolvimento de habilidades de acordo com interesse de participantes. Serão oferecidas pelo evento 27 oficinas e 33 minicursos propostos por pessoas inscritas no evento.

 

  1. Lançamento de Publicações e Produtos Tecnológicos

Como nas edições anteriores, a 3ª edição será um espaço para divulgação e circulação das produções acadêmicas e produtos tecnológicos articulados às interpelações aportadas.

 

  1. Tendas de Vivencia

Visam promover espaços para adensar o dialogo com experiências, inclusive aquelas já apresentadas em edições anteriores, resultado de articulações feitas pela coordenação do evento, complementadas com experiências propostas por convidado/as e inscrita/os no evento.

 

  1. Teleconferências

Pretendemos também oferecer teleconferências com a participação de convidado/as nacionais e internacionais que discutirão conosco temas articulados pelo evento.

 

  1. Intervenções Artístico-Culturais

Tomando o aspecto artístico da cultura como forma de acessar elementos epistemológicos de cosmologias que resistem à homogeneidade colonialista, portador de valiosas chaves para (re)pensar processos de subjetivações autônomos, será aberto edital para receber propostas de intervenções, performances, instalações, mostras de teatro e cinema e outras manifestações e produções artístico-políticas, constituindo um espaço privilegiado para exercitar e motivar no público alvo a expressão de visões de mundo e de pensamentos críticos que multiplicam o espectro poético e performativo no campo político. Construir esse espaço significa assumir um compromisso de entender as artes como reivindicação social e ruptura artístico-política, notadamente pela criação de cenários, espaços e paisagens culturais articulados com cosmovisões que potencializam nossa capacidade crítica de análise e atuação.